Pacientes oncológicos fazem parte do grupo de risco do coronavírus

Pacientes oncológicos fazem parte do grupo de risco do coronavírus

Evitar o contato com outras pessoas e manter a higienização das mãos são as principais medidas para a prevenção

A pandemia do novo coronavírus deixa o mundo em alerta. Além de idosos e pessoas com doenças crônicas, a preocupação também é com os pacientes oncológicos, pois muitos deles estão mais vulneráveis a doenças infectocontagiosas por causa de alguns tratamentos que afetam o sistema imunológico.

Dados oficiais da China, divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), apontam que, enquanto a taxa de mortalidade geral do coronavírus é de 2,3%, nos pacientes com câncer fica em 5,6%.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), entre os pacientes com câncer, os de maior risco são aqueles com leucemias, linfomas, que passaram por transplante de medula óssea e em tratamento com quimioterapia.

 “O paciente oncológico apresenta uma diminuição da imunidade provocada pela própria doença, por causa da recuperação pós-cirúrgica e pelo efeito de alguns tratamentos, como a quimioterapia”, explica o médico oncologista da Oncoradium de Marabá e Parauapebas, Dr. Rodolfo Amoury Jr.

As recomendações da SBOC são para que o paciente não interrompa o tratamento oncológico.

“É importante e necessário que se evite o contato físico com outras pessoas e principalmente com aquelas que apresentam sintomas gripais. Caso o paciente oncológico tenha sintomas graves como febre, coriza, tosse e falta de ar, a ajuda médica deve ser acionada imediatamente”, destaca.

Segundo o Ministério da Saúde, a vacina contra a gripe também é recomendada e a Campanha Nacional de Vacinação terá início no dia 23 de março, quando idosos e profissionais de saúde terão prioridade para se vacinarem.

A vacina contra a influenza garante proteção para três tipos de vírus (H1N1, H3N2 e Influenza B). Mesmo que a vacina não apresente eficácia contra o coronavírus, é uma forma de prevenção para outros vírus, ajudando a reduzir a demanda de pacientes com sintomas respiratórios e acelerarem o diagnóstico para o coronavírus.

 Como prevenir o contágio

Lave as mãos com água e sabão ou use álcool em gel;

Cubra o nariz e boca ao espirrar ou tossir;

Evite aglomerações;

Saia de casa apenas quando realmente necessário;

Mantenha os ambientes bem ventilados;

Não compartilhe objetos pessoais.

Foto: Divulgação

Sobre o Autor

Equipe Singular editor

Deixe uma resposta