Arquivo de tag HMA

Projeto Cãoterapia promove alegria e interação para as crianças internadas no HMA

Os pacientes e acompanhantes interagiram com os pets e assistiram um teatro de fantoches sobre a importância de cuidar dos animais

“Nós já ficamos aqui no hospital em uma situação de fragilidade com os nossos filhos e esse projeto com os cãezinhos ajudou não só as crianças, mas a nós também. Eu fiquei bem feliz com essa tarde de hoje”, disse Michelly Soares, mãe da Maria Vallentina, que está internada no Hospital Municipal de Araguaína (HMA).

A tarde do último dia 26 de setembro foi marcada por sorrisos e emoção. Isso porque foi realizada mais uma edição do projeto Cãoterapia, que tem como objetivo encorajar as relações interpessoais, despertando a atenção, concentração e raciocínio dos participantes.

O projeto é uma parceria do curso de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Tocantins, campus de Araguaína, com o Instituto Saúde e Cidadania – ISAC, que faz a gestão do hospital.

“O resultado é imediato, é impressionante! Após o contato com os animaizinhos e com as outras crianças, alguns pacientes que antes não queriam comer, ou ajudar no tratamento, passaram a se alimentar melhor, sorrir e até colaboram com o atendimento das nossas enfermeiras. E isso para nós é muito gratificante!”, destacou a terapeuta ocupacional do HMA, Evellyne Andrade.

A tarde de interação ainda teve apresentação de teatro com fantoches, que chamou a atenção da criançada e dos acompanhantes.

 “O nosso objetivo é ver esses sorrisos e reações diversas que vimos aqui hoje. Na apresentação, trouxemos uma mensagem de um gatinho, que é espancado por estar fazendo barulho no telhado de uma casa e que vai pra rua logo depois. Em outra situação, ele recebe um lar e é muito amado pelo seu novo dono. E falar sobre a importância de dar amor e cuidado para os animais foi a nossa intenção, acho que conseguimos”, agradeceu a professora da UFT, Ana Paula Coelho.

Hospital Municipal de Araguaína inicia processo de acreditação internacional

A qualificação está alinhada aos princípios da Governança Clínica, utilizada em mais de 50 países pelo mundo

O Hospital Municipal de Araguaína Dr. Eduardo Medrado recebeu, nos dias 12 e 13 de setembro, a visita diagnóstica da Instituição Acreditadora IQG Health Services Accreditation, que trabalha com a metodologia “QMentum International™, programa que utiliza critérios internacionais de validação mundial para qualificar unidades hospitalares.

“Esse processo de Acreditação é um divisor de águas no Tocantins, já que nós não temos nenhuma instituição acreditada do Estado. Esse procedimento mostra muito além do nosso trabalho prestado, mas o compromisso com a segurança do paciente, qualidade assistencial e melhoria contínua. Essa acreditação vai elevar o HMA a um patamar que se equaliza com hospitais em nível nacional”, destaca Vinicius Menezes, gestor de assistência e qualidade do Instituto Saúde e Cidadania, que gere o HMA e mais duas unidades de saúde em Araguaína.

Programa de Acreditação

A metodologia de excelência QMentum International™ orienta e monitora padrões de alta performance em qualidade e segurança na área de saúde. No Brasil, a Accreditation Canada opera em Joint Venture com o IQG para implantação e manutenção desta metodologia internacional.

“O Qmentum International se diferencia pelo uso de ferramentas específicas de trabalho, que permitem a avaliação e reestruturação também dos processos transversais à assistência. Toda a metodologia está alinhada com os princípios da Governança Clínica, utilizada em mais de 50 países pelo mundo. Desta vez, nós viemos começar esse processo dentro do Hospital Municipal de Araguaína e, em um primeiro momento, ficamos muito felizes em conhecer o serviço e toda equipe”, disse Lucianna Novaes, avaliadora líder e especialista do projeto.

Primeiras avaliações

Dentro da primeira visita foram feitas as apresentações da metodologia internacional e avaliações da assistência pediátrica, serviço de emergência, serviços perioperatórios, serviços de apoio diagnóstico, cuidados intensivos, assistência farmacêutica e uma reunião da equipe completa para discussão de todo o procedimento.

“Esse projeto é muito valioso para todos nós, profissionais, que estamos dentro da unidade e também para a população, que vai ter a confiança de ter uma unidade avaliada em nível internacional. Nós começamos hoje um processo que pode durar cerca de dois anos, ou bem mais, ou até menos, o que vai depender muito da nossa estrutura e de toda a avaliação. O resultado vai ser mostrar que os nossos processos estão dentro de uma rede internacional de segurança do paciente. Isso é gratificante”, pontua Maria Dulcimary Fonseca, diretora geral do ISAC.

Próximos passos

Ainda devem ser definidas a coordenação interna para o processo de acreditação, um corpo diretor junto ao especialista do projeto, solução dos problemas prioritários e formação dos times, estrutura de pesquisa de clima e segurança, acompanhamento e follow-up de projeto a cada três meses, além do esclarecimento de dúvidas via email.

Ristori Geralda é analista de qualidade do ISAC e destaca que o hospital já vinha realizando vários procedimentos que são pedidos nacionalmente.

“Nós já tínhamos uma grande preocupação com o paciente, por isso já havíamos adotado vários protocolos dentro desse cuidado. Temos como exemplo o projeto no Núcleo de Segurança do Paciente, onde desenvolvemos o processo de notificação.  Assim como a realização de inúmeros treinamentos com todas as equipes de todos os departamentos, sempre buscando mais segurança na assistência ao paciente”.

O IQG já capacitou mais de 80 mil profissionais de saúde em Gestão da Qualidade e Segurança do paciente em todo o Brasil.

Acreditação HMA (1) Acreditação HMA (2) Acreditação HMA (4)

Usuários da UPA e HMA destacam melhorias implantadas nas unidades

A evolução nos processos garante agilidade no atendimento e conforto aos pacientes

 

Desde que assumiu a gestão do Hospital Municipal de Araguaína (HMA), Ambulatório Municipal de Especialidades (AME) e da Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24 horas), o Instituto Saúde e Cidadania – ISAC preocupa-se em implementar melhorias todos os meses.

Algumas delas são perceptíveis para os usuários, como a recente reforma na recepção da UPA e as novas enfermarias do HMA, outras, que englobam mudanças de processos, protocolos e reorganizações internas, não são imediatamente percebidas, masSAU contribuem decisivamente para a melhora no fluxo e qualidade de atendimento.

Os atendimentos e demais serviços oferecidos pelas unidades podem ser avaliados por meio do Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU) e nas caixas de sugestões.

No último levantamento realizado junto aos usuários, diversos elogios aos profissionais atuantes e à organização no atendimento ganharam destaque.

Michele Silva acompanhou a filha durante internação no HMA e agradeceu o atendimento recebido.

“Venho por meio deste agradecer toda equipe multidisciplinar do Hospital Municipal de Araguaína pelo excelente atendimento humanizado com minha filha. Cheguei aflita, preocupada, pensando o que minha filha iria passar. Declaro que os profissionais do HMA são excepcionais. Estou indo embora com meu coração cheio de alegria e grata pelo atendimento”, escreveu a mãe em um dos formulários de avaliação.

Foco no paciente

Segundo o gerente de Assistência e Qualidade do ISAC, Vinicius Menezes, a diretoria geral, as coordenações das unidades e todos os profissionais envolvidos têm como foco converter todas as melhorias em atendimento humanizado ao paciente e seus acompanhantes.

“Todos os esforços feitos diariamente têm como único e principal objetivo o bem-estar dos nossos usuários. Por isso estamos em constante vigilância para saber onde podemos otimizar nossos serviços, estamos atentos às avaliações da população, sejam elas boas ou ruins, para podermos aprimorar o que está funcionando e corrigir eventuais falhas”, disse.

 

Mais avaliações

Quem também teceu elogios ao atendimento no HMA foi a usuária Gislene Azara.

“É com muito carinho que venho a público agradecer a equipe do Hospital Municipal de Araguaína, pois estive em tratamento com meu filho e fomos muito bem atendidos por todos. Aqui tudo funciona, porque todos trabalham com muito amor e dedicação, são profissionais extremamente comprometidos com a saúde dos nossos filhos”, registrou Gislene.

Profissionais atenciosos

Na UPA, os principais elogios vão para o desempenho dos profissionais.

“Dr. André Luiz, gostaria de agradecer por ser um ótimo médico e por ser atencioso e dedicado. Que continue assim para o atendimento siga melhorando cada dia mais”, elogiou uma paciente, que não quis se identificar.

“Hoje saí satisfeita com o atendimento, se fosse para dar uma nota, seria um 10. Continuem assim”, destacou a paciente Ana Paula.

 

Diretores do Hospital Sírio-Libanês elogiam ISAC por ferramenta implantada em UPAs

O UPADay é um encontro diário e rápido com colaboradores e lideranças de todos os setores da unidade

 

O Instituto Saúde e Cidadania – ISAC, que administra a Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24 horas) de Araguaína, o Ambulatório Municipal de Especialidades (AME) e o Hospital Municipal de Araguaína (HMA) participou de um evento no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para apresentar projetos desenvolvidos nas UPAs de Alagoas e Pará, também geridas pelo instituto.

A UPA Trapiche, UPA Benedito Bentes e UPA Cidade Nova participaram do evento que abordou um projeto de apoio ao SUS de capacitação para identificação e tratamento precoce da sepse (infecção generalizada) em pacientes adultos em Unidades de Pronto Atendimento. O encontro contou com a participação de 60 UPAs de 15 estados e do Distrito Federal.

Antes do encontro presencial, a equipe do Sírio-Libanês realizou visitas de diagnóstico em sete UPAs indicadas pelo Ministério da Saúde para compreender sua condição e, assim, programar as medidas necessárias para desenvolvimento do projeto e entender a metodologia de trabalho.

Nas visitas realizadas nas Unidades sob gestão do ISAC, a equipe do projeto acompanhou a metodologia de trabalho, que foca em qualidade e segurança do paciente e ver algumas ferramentas utilizadas pelo Instituto funcionando na prática diária.

Projeto inovador

Uma ferramenta importante que foi apresentada à equipe do Sírio-Libanês foi o UPADay. Ele é um encontro diário, rápido, de até 15 minutos, com colaboradores e lideranças de todos os setores da unidade, respondendo a questões pré-definidas em um check-list que abrange as dimensões da segurança, qualidade, pessoas e celebração. A reunião acontece com todos em pé e na área assistencial.

Dr. José Mauro Vieira Junior, diretor do Instituto de Qualidade e Segurança do Hospital Sírio-Libanês, parabenizou a implantação do UPADay.

“É um movimento inacreditável, eu não tenho isso no meu Hospital, pouca gente tem, e vocês têm isso nas UPAs de vocês”, destacou.

O gestor de Assistência e Qualidade do ISAC, Dr. Vinicius Menezes, agradeceu o reconhecimento do UPADay.

“Mostra que estamos no caminho certo em focar em qualidade e segurança do paciente, valorizar os colaboradores e inovar de maneira simples, mas impactante, para o nosso propósito”, disse.

“Fiquei muito surpreso, de forma positiva que vocês já estão usando essas ferramentas que viemos aqui compartilhar e vocês agora são professores desse tema. Parabéns pelo trabalho que vocês realizam”, frisou Daniel Peres, gerente de projetos nas regiões da América Latina e Europa da IHI.

 

Imagem: https://setorsaude.com.br

Campanha da Honestidade da UPA de Araguaína apresenta balanço positivo

A taxa de não contribuição foi de apenas 7,5%

Em 15 dias, a Campanha da Honestidade na Unidade de Pronto Atendimento – UPA de Araguaína já registra um balanço positivo.

A campanha funciona assim: o paciente ou acompanhante têm à disposição mais de 1.000 picolés, de 15 sabores diferentes, em um freezer colocado na recepção da unidade.  Quem pegar o picolé pode depositar o valor de R$ 2,00 em uma caixa logo acima do freezer.

No entanto, não há qualquer tipo de fiscalização.

Desde que a campanha começou, 92,5% dos picolés retirados do freezer tiveram contribuição. Apenas 7,5% das unidades não receberam os valores correspondentes.

Em números absolutos, 647 unidades foram vendidas e somente 46 não foram “pagas”.

Sucesso da campanha

Para a diretora geral da UPA, Meire Fonseca, a campanha está sendo um sucesso.

“Isso mostra a honestidade das pessoas que frequentam a unidade. Esse resultado é bastante positivo e estamos satisfeitos com esse balanço parcial. Esperamos que esse número continue até o fim da campanha”, frisa.

A UPA de Araguaína é a terceira unidade gerida pelo ISAC que implanta a campanha.

“Todo o dinheiro arrecadado com a venda dos picolés já foi investido na aquisição de mais picolés. O nosso objetivo é se aproximar ao máximo de 100% de adimplência na campanha”, destaca a gerente financeira do ISAC, Suzane Alves.

Na caixa onde o valor pode ser depositado, há frases, como “Faça o bem sem olhar a quem”, “O que você planta hoje, colherá amanhã”, “Deixe o mundo um pouco melhor do que encontrou” e “Faça você a diferença”.

Quando o usuário não tiver o dinheiro trocado e precisar de troco, ele próprio pode abrir a caixa e retirar o valor. Não havendo dinheiro suficiente, o comprador pode solicitar à administração da UPA.

 

Mudança nas refeições da UPA e HMA melhora a alimentação de pacientes, acompanhantes e colaboradores

Desde a última semana, as marmitas são térmicas para conservar melhor a comida

Colaboradores, acompanhantes e pacientes do Hospital Municipal de Araguaína e da Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) passaram a usufruir de uma importante mudança que melhorou a qualidade das refeições oferecidas nas unidades.

O Instituto Saúde e Cidadania – ISAC, responsável pela gestão das unidades, mudou a forma de acondicionamento das refeições a serem servidas, que agora serão em bandejas térmicas para garantir a melhor conservação dos alimentos.

A diretora geral da UPA, Meire Fonseca, explica que a iniciativa faz parte dos investimentos da organização social em qualidade e humanização.

“Além de preservar a temperatura, sabor e qualidade da comida, mantendo os valores nutricionais dos alimentos, o novo recipiente também proporciona humanização com a personalização das bandejas e divisão dos alimentos servidos”, destaca Meire.

No HMA, por ser referência no tratamento infantil, as bandejas térmicas foram confeccionadas com figuras infantis, como forma de chamar a atenção das crianças e aumentar a adesão à alimentação.

Nova marmita

As marmitas possuem quatro divisórias. Em cada espaço acomoda-se um tipo de alimento, melhorando a visualização da comida.

O ISAC também realizará um treinamento com toda a equipe do Serviço de Nutrição e Dietética, em parceria com a empresa fornecedora das bandejas, para melhorar os sabores das refeições, utilizando temperos naturais, sempre prezando por uma alimentação saudável e de qualidade.

Hospital Municipal de Araguaína lança campanha de arrecadação de brinquedos para pacientes da UTI Pediátrica

Os itens vão atender crianças na faixa de 0 a 12 meses de idade e podem ser entregues na recepção do HMA em horário comercial

O Hospital Municipal de Araguaína lançou uma campanha de arrecadação de brinquedos novos, preferencialmente lacrados, para os pacientes internados na UTI Pediátrica. A demanda é para atender crianças de 0 a 12 meses e as opções incluem chocalhos, mordedores e brinquedos de borracha com sons adequados para a faixa etária, entre outros itens, exceto artigos de pelúcia.

As doações podem ser entregues na recepção do próprio hospital (Avenida Tibúrcio José Dantas, nº 650, Loteamento Manoel Gomes da Cunha) em horário comercial

A terapeuta ocupacional do HMA, Evelyne Andrade, explica que os brinquedos são uma alternativa para estimular e entreter os pacientes durante a internação.

“Na primeira infância, brincar é um dos principais estímulos oferecidos à criança. Diante disso, esses brinquedos serão usados para estimular o desenvolvimento neuropsicomotor e deixar o ambiente hospitalar um pouco mais aconchegante para os pacientes infantis”, frisou.

Allaíne Lacerda, coordenadora de enfermagem da UTI Pediátrica do HMA, lembra que a assistência à criança internada deve atender também as necessidades emocionais, sociais e psicológica.

“Utilizamos técnicas adequadas de comunicação e relacionamento que permitam reconhecer e compreender essas necessidades. O brinquedo terapêutico na assistência à criança contribui para amenizar o sofrimento causado pelo impacto da hospitalização, contribuindo para melhorar o enfrentamento do processo de adoecimento”, disse.

Super Heróis visitaram pacientes internados no Hospital Municipal de Araguaína

O encontro levou magia e alegria para crianças, acompanhantes e profissionais da unidade

Heróis e personagens dos filmes e quadrinhos fizeram uma visita bastante especial ao Hospital Municipal de Araguaína (HMA) e animaram o dia dos pacientes infantis, acompanhantes e colaboradores. A ação aconteceu na manhã da última quarta-feira, 17.

A surpresa e os sorrisos dos profissionais foram vistos logo que os personagens chegaram à unidade. A cada dois passos, os voluntários ouviam um “eu posso tirar uma foto com vocês?”.

Mas a alegria de verdade foi sentida assim que os cosplayers (nome dado às pessoas que se caracterizam de personagens da ficção, seja de filmes, quadrinhos, desenhos, games, entre outros) entraram na brinquedoteca. O brilho no olhar das crianças já mostrava que aquele dia seria pra lá de especial.

Magia e heroísmo

Homem Aranha, Supergirl, Aladdin e a Princesa Jasmine estavam cheios de histórias para contar, todas repletas de magia e atos de heroísmo. Eles foram interpretados por jovens voluntários que têm como hobbie o cosplay para ações solidárias e eventos do segmento.

E a magia também partiu da brinquedoteca do hospital direto para a UTI Pediátrica. Os pequenos logo se animaram e quiseram bater papo com os heróis.

“Eu conheci a Super Girl, fiquei muito feliz, gostei muito mesmo”, disse a pequena Heloisa Santos, paciente na UTI.

A mãe, Alvina dos Santos, destacou a importância da ação.

“O hospital é um local onde as crianças não estão bem, então é uma diversão que os alegra. Ver esse pessoal praticando essa boa ação é uma terapia que com certeza ajuda no tratamento”, finalizou.

A médica pediátrica, Aliandra Orlandino, reforçou que esse tipo de iniciativa é, de fato, bastante benéfico para os pacientes.

“Nós precisamos fazer isso mais vezes, porque as crianças ficam muito felizes. Isso reflete no tratamento delas e facilita o nosso trabalho. Vamos sempre priorizar esse tipo de atendimento as nossas crianças”, destacou Aliandra.

O maior herói de todos

Questionado se tinha gostado da visita, o pequeno Carlos Henrique deu uma resposta para lá de especial.

“Gostei muito da visita de todos eles, mas o que eu mais gosto é o meu pai, porque ele também é um super-herói”, disse.

O Marcelo Lima, pai do Carlos Henrique, se emocionou com a resposta do filho. Ele também adorou a presença dos visitantes.

“Foi muito legal e serve para animar as crianças em tratamento, dá uma energia positiva”, destacou.

Maísa Alves, Professora de inglês, é a Princesa Jasmine nas horas vagas. Para ela, levar alegria para os pacientes é o maior presente.

“As crianças são responsabilidade da sociedade, ou seja, de todos nós, então sempre que possível é bom tentarmos levar um pouquinho de luz para elas”, finalizou.

UPA de Araguaína registra taxa de 95% na resolução dos atendimentos

O fluxo de pacientes aumentou 43% nos primeiros quatro meses de 2019. E mesmo com os dados positivos, ISAC reconhece necessidade imediata de redução no tempo de espera e atendimento

A Unidade de Pronto Atendimento do Araguaína Sul (UPA 24 horas) vem registrando bons indicadores desde o início do ano. Um levantamento feito pelo Instituto de Saúde e Cidadania (ISAC), que administra a unidade, mostrou que, na comparação entre janeiro e abril, o aumento no volume de atendimento foi de 43%.

A meta de resolutividade estabelecida internamente pelo ISAC para a unidade é de 95% e foi superada em abril. Em janeiro foram 6.705 atendimentos na UPA, entre clínica médica e pediatria, uma média de 216 atendimentos/dia.

Já em abril, esse número passou para 9.585 atendimentos, com uma média de 319,5 atendimentos diários. Nos meses de março e abril, a UPA de Araguaína funcionou acima da capacidade estipulada conforme dimensionamento da unidade, que é de 8 mil atendimentos por mês.

Apesar dos dados positivos, o ISAC reconhece que, devido ao alto número de atendimentos, há uma necessidade imediata de melhora no tempo de espera dos pacientes e também redução no tempo de atendimento total, melhorando os fluxos internos.

“Estamos focados na resolução como um todo. Importante ressaltar que a UPA é uma unidade destinada para urgências e emergências, no entanto, a maioria dos nossos atendimentos são para casos clínicos menos graves”, explica Maria Dulcimary Fonseca, diretora geral das unidades.

Azul e verde

A maioria dos pacientes atendidos no primeiro quadrimestre do ano, 50%, foi classificada na cor verde, seguido da cor amarela com 41%, cor laranja 8%, cor azul com 1% e, por último, pacientes classificados pela cor vermelha, que não chegaram a representar 1%.

O paciente classificado com a cor verde indica que ele não corre risco de morte, podendo aguardar mais tempo para atendimento, dando prioridade para casos amarelos, laranjas ou vermelhos.

Quanto aos pacientes identificados com a pulseira azul, são aqueles que poderiam resolver o problema na rede básica de saúde.

“Os pacientes azuis já foram em maior número, mas há algum tempo estamos fazendo um trabalho de orientação, informação e conscientização, com a coordenação da nossa assistência social, junto a essas pessoas indicando qual o melhor caminho para sanar as situações”, acrescenta a diretora.

Cálculo

A taxa de resolutividade apresentada pelo instituto é calculada da seguinte forma: número de atendimentos totais, menos as transferências e menos os óbitos. O valor é dividido pelo número de atendimentos totais e multiplicado por 100.

“Após as mudanças implementadas na UPA desde o início do ano, estabelecemos a meta dos 95%, mas ela pode e deve ser alterada para mais, ou seja, o ideal é chegarmos acima de 98%”, explica Vinícius Menezes, gerente de qualidade do ISAC.

Hospital Municipal de Araguaína realiza a primeira cirurgia de fissura labiopalatina

O procedimento foi feito em uma criança internada na UTI Pediátrica. As fissuras são as más formações congênitas mais comuns que afetam a face

 

O Hospital Municipal de Araguaína (HMA) realizou a primeira cirurgia de fissura labiopalatina, uma má formação que pode ocorrer isoladamente ou como parte de um problema ou síndrome genética. O sinal mais característico é a abertura na boca, que resulta em dificuldade para falar e comer.

O procedimento foi feito em uma criança de um ano e nove meses, que estava internada na UTI Pediátrica da unidade no mês de abril.

A chegada de um bebê com fissura provoca um choque e angústia nos pais e familiares. O dentista Dr.Rufino Klug, especialista em cirurgia bucomaxilofacial e que coordenou a cirurgia, destaca que o processo foi um sucesso.

“A paciente é portadora de microcefalia e veio para Araguaína para ficar na UTI Pediátrica por causa de uma pneumonia. O quadro clínico dela exigiu um cuidado redobrado de toda a equipe multiprofissional do HMA. A cirurgia ocorreu tudo como esperado e, no futuro, a criança vai precisar de uma nova cirurgia para fazer pequenos retoques”, afirmou.

De acordo com o Hospital de Reabilitação de Anomalias da Universidade de São Paulo (USP), referência internacional em tratamento e pesquisa da anomalia, a incidência pode variar de acordo com a população estudada, mas, de forma geral, a fissura atinge uma a cada 650 crianças nascidas.

Referência regional

O diretor técnico do HMA, Luiz Flávio Quinta, ressaltou que, com essa cirurgia, a unidade vai se consolidando ainda mais no atendimento infantil no Estado.

“Foi a primeira cirurgia no HMA pelo Centro de Reabilitação e Anomalias do Tocantins. Uma equipe de médicos, dentistas e outros profissionais capacitados estiveram envolvidos nesse procedimento”, disse.

Causas da anomalia

As causas da fissura labiopalatina ainda não são totalmente esclarecidas. Pode ter origem genética e pode estar associada ou não a outras anomalias. Existe ainda relação a fatores como obesidade e deficiência de vitaminas na mãe, excesso à radiação, uso de determinados medicamentos, cigarro e álcool no início da gestação.

O tratamento é multidisciplinar, incluindo cirurgia para fechamento das fissuras e terapias fonoaudiológicas, odontológicas e psicológicas, principalmente. As cirurgias iniciam ao redor dos 3 meses (lábio) e 9 meses (palato) e quanto mais cedo forem executadas, melhor.